Trending

Kiev fica sem água nem luz após novos ataques russos

 

Outras cidades também foram afetadas e ao menos três pessoas morreram e seis ficaram feridas

Porto Velho, RO 
- A capital ucraniana ficou sem água nem luz nesta quarta-feira, após novos ataques russos com mísseis a instalações de infraestrutura do país, que se intensificaram no último mês após reveses de Moscou no campo de batalha. Outras cidades também foram afetadas e ao menos três pessoas morreram e seis ficaram feridas, segundo as autoridades.

"Terroristas russos estão tentando destruir as instalações de abastecimento de energia da Ucrânia. Hoje houve explosões em várias partes do país", disse o vice-presidente ucraniano, Kyrylo Tymoshenko, no Telegram. Segundo a Força Aérea da Ucrânia, a Rússia disparou 70 mísseis de cruzeiro Kalibr contra alvos no país, dos quais 51 teriam sido interceptados pela defesa ucraniana. Além disso, cinco "drones kamikazes" teriam sido derrubados no Sul da Ucrânia.

De acordo com a administração regional da capital, Kiev, um prédio de dois andares foi danificado, três pessoas morreram e seis ficaram feridas. As informações foram divulgadas no Telegram, sem mais detalhes. O abastecimento de água também foi "suspenso" e a energia foi "deliberadamente desligada” após o ataque, segundo a operadora da rede elétrica e o prefeito Vitali Klitschko, que pediu aos moradores que armazenem água.

Klitschko disse ainda que os serviços de emergência foram mobilizados depois que várias explosões ocorreram em distritos da capital. Kiev precisa se preparar para o pior cenário, que envolveria blecautes generalizados quando as temperaturas do inverno no Hemisfério Norte caírem ainda mais, afirmou o prefeito ao jornal alemão Bild.

— Não vamos simplesmente pegar nossas coisas e fugir para o Ocidente, como Putin quer — disse ele.

A segunda maior cidade da Ucrânia, Kharkiv, suspendeu o uso das linhas de metrô da cidade e do transporte elétrico terrestre, informou o conselho municipal no Facebook. Na cidade de Lviv, no Oeste, a energia foi cortada e também pode haver falta de água, disse o prefeito Andriy Sadovyi no Telegram.

A companhia ferroviária estatal disse que a energia foi interrompida em trechos de trilhos em Kiev; Dnipro e Mykolayiv, no centro-sul; Lviv, no oeste; e Sumy e Kharkiv, no nordeste. Outras cidades também relataram apagões e a interrupção da linhas de transporte de massa.

"Toda a cidade está sem energia. Estamos aguardando mais informações dos especialistas. Pode haver interrupções no abastecimento de água", disse Andriy Sadovy, prefeito de Lviv, no Telegram.

Os ataques também tiveram consequências na vizinha Moldávia, que importa energia da Ucrânia e sofre com grandes problemas energéticos relacionados à guerra. No país, houve "grandes cortes de energia" nesta quarta-feira. "Após o bombardeio da Rússia ao sistema de energia da Ucrânia na última hora, temos amplos apagões em todo o país", disse o vice-primeiro-ministro moldavo, Andrei Spinu, no Facebook.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou na terça-feira que milhões de vidas estão em risco neste inverno devido a infraestrutura danificada ou destruída na Ucrânia. Mais de 10 milhões de pessoas — cerca de um quarto da população ucraniana pré-guerra — ficaram sem energia no início deste mês, quando as temperaturas caíram abaixo de zero.

“O terror energético continua”, disse Andriy Yermak, chefe de Gabinete do presidente Volodymyr Zelensky, no Telegram. “Vamos resistir. Eles não vão nos quebrar."

Os ataques russos causaram danos superiores a US$ 1,9 bilhão (R$ 10,2 bilhão) à infraestrutura de energia ucraniana, segundo o primeiro-ministro Denys Shmyhal, enquanto o chefe da rede elétrica disse que nenhuma instalação termelétrica ou hidrelétrica saiu ilesa dos ataques. (Com Bloomberg e AFP)


Fonte: O GLOBO

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem