Trending

Elon Musk defende liberdade de expressão no Twitter

Ele quer que opiniões sejam debatidas de forma saudável na rede

Porto Velho, RO - O empresário Elon Musk, que se prepara para concluir a compra do Twitter, procurou tranquilizar os anunciantes, ao assegurar que quer permitir todas as formas de expressão na rede social, sem torná-la uma plataforma "infernal".

É "importante para o futuro da civilização ter uma praça pública online, onde grande variedade de opiniões pode ser debatida de forma saudável, sem recorrer à violência", disse o dono da Tesla, em mensagem dirigida especificamente às empresas que compram publicidade na rede.

"Dito isso, o Twitter obviamente não pode ser um lugar infernal aberto a todos, onde qualquer coisa pode ser dita sem consequências", acrescentou.

A compra do Twitter pelo bilionário ainda não está oficialmente concluída, mas há vários sinais de que o negócio está em andamento e que, salvo mais uma reviravolta, a saga de meses entre o empresário e a rede social deve chegar ao fim.

Nessa quarta-feira (27), Elon Musk entrou na sede da rede social em São Francisco, nos Estados Unidos, com uma pia.

Em mensagem no Twitter, o empresário, que tem três nacionalidades diferentes (sul-africano, canadense e norte-americano) escreveu: "Entering Twitter HQ - let that sink in!" que, em português, pode ser traduzido para: "A entrar na sede do Twitter -- reflitam".

Ele mudou o seu perfil no Twitter, referindo-se a "Chief Twit" - em inglês "twit" significa "idiota" - e mudou sua localização para a sede da rede social em São Francisco, dando indícios da conclusão do negócio.

Segundo o Wall Street Journal, os bancos que participam do financiamento da operação começaram a enviar o dinheiro.

Além disso, a Bolsa de Valores de Nova York, onde o Twitter está listado, informa, em um aviso, que as ações da plataforma foram suspensas antes da abertura das negociações.

O acordo, de US$ 44 bilhões, de Musk para tornar a rede social sua propriedade tem prazo até esta sexta-feira, fixado pelo Tribunal de Delaware no início de outubro.
Contornos do negócio

Se o acordo não for fechado dentro do prazo, será realizado um julgamento entre as partes em novembro.

O negócio se arrasta desde o anúncio, no fim de abril, de uma oferta de aquisição por parte de Elon Musk, aceito com relutância pelo Twitter.

O empresário tentou sair unilateralmente no início de julho, acusando a empresa de ter mentido, mas a rede social entrou com ação judicial.

Poucos dias antes da abertura de um processo, em que o Twitter parecia a caminho de vencer, Elon Musk ofereceu-se para concluir a transação pelo preço inicialmente acordado.

Defensor da liberdade de expressão, o empresário já manifestou vontade de flexibilizar a moderação de conteúdos, reacendendo preocupações sobre possível ressurgimento de abusos e desinformação na plataforma.

Como exemplo, Musk abriu as portas para o regresso de Donald Trump, expulso do Twitter logo após o ataque ao Capitólio em janeiro de 2021.

Essa posição desencorajou os anunciantes, que muitas vezes procuram conteúdo consensual. Em 2021, as receitas publicitárias da empresa, que representaram cerca de 90% do volume de negócios, já caíram significativamente, entre a incerteza em torno da aquisição, o abrandamento da economia e as mudanças feitas pela Apple.

Há "grande perigo" de crescente polarização nas redes sociais, com a proeminência de conteúdo de extrema-direita e extrema-esquerda.

"Além de respeitar as leis, nossa plataforma deve ser calorosa e acolhedora para todos", destacou o empresário aos anunciantes.


Fonte: Agência Brasil

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem